Recuperação judicial com base em plano especial para as microempresas e empresas de pequeno porte

Por Jus

INTRODUÇÃO

A recuperação de empresas é instituto de direito empresarial que foi introduzido no Brasil pela Lei 11.101/05, em substituição ao anterior regime de concordata, e tem por escopo atender ao princípio da preservação da empresa, cujo fundamento constitucional é a valorização do trabalho humano e da livre iniciativa – artigo 170 Constituição Federal.

De acordo com o artigo 47 da atual lei de falências, o objetivo da recuperação judicial é possibilitar a superação da crise econômico-financeira, permitindo, assim, a manutenção da fonte produtora geradora de renda, dos empregos e da satisfação dos interesses dos credores, através da preservação da empresa.

Com relação às microempresas e empresas de pequeno porte, a Lei 11.101/2005 trouxe o instituto da recuperação judicial especial, o qual possui requisitos e condições de concessão diferenciados em relação à recuperação judicial comum ou ordinária.

Entretanto, o que se observa na prática é que as microempresas e empresas de pequeno porte não têm aderido com frequência a essa modalidade especial de recuperação, o que leva à indagação do porquê desse fato.

Estaria a lei 11.101/05 em consonância com o artigo 179 da Constituição Federal, o qual determina o incentivo à manutenção das microempresas e empresas de pequeno porte, através de tratamento diferenciado?

Para responder a tal questionamento, inicialmente deve-se partir da interpretação teleológica do artigo 179 da Constituição, contido no Título VII, o qual  trata da ordem econômica e financeira.

Posteriormente, será analisado o instituto da recuperação judicial especial, inclusive relacionando-o com os institutos da recuperação judicial comum ou ordinária e da antiga concordata preventiva.

1. TRATAMENTO DIFERENCIADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE: PRINCÍPIO GERAL DA ATIVIDADE ECONÔMICA

Embora a Constituição seja fundada na liberdade de iniciativa econômica, consagrou no artigo 170 vários princípios que limitam e condicionam a atividade econômica a fim de se ajustar aos ditames da justiça social, dentre eles o tratamento favorecido às microempresas e empresas de pequeno porte.

De acordo com o Sebrae[1], existem no Brasil quase nove milhões de micro e pequenas empresas, que geram vinte e sete por cento do produto interno bruto brasileiro e cinquenta e dois por cento dos empregos com carteira assinada.

Diante desse quadro, nota-se a importância das microempresas e empresas de pequeno porte dentro do cenário econômico brasileiro, seja na geração de renda, no fornecimento de empregos ou no desenvolvimento da concorrência.

Para Leonardo Vizeu Figueiredo, as empresas de pequeno e médio porte no mercado atual são de suma importância por serem “entidades concorrenciais, empregadoras e geradoras de renda” e, por isso, merecem proteção por parte do Estado, o qual “deve protegê-las em face das medidas abusivas que podem sofrer por parte das grandes empresas, garantindo sua existência e participação no mercado”.[2]

Entretanto, apesar de sua importância no mercado, as microempresas e empresas de pequeno porte dificilmente poderiam competir com agentes econômicos poderosos em pé de igualdade se não fosse o tratamento diferenciado, mais simplificado no cumprimento de suas obrigações, determinado pela Constituição.

Para Andre Luiz Santa Cruz Ramos[3]:

Não há dúvidas de que os pequenos empreendimentos sofrem bastante para se firmarem no mercado atual, dadas a extrema competitividade e a incrível dinâmica da atividade empresarial. É muito comum, pois, que esses pequenos empreendimentos venham a sucumbir diante das dificuldades inerentes ao exercício da empresa.

Foi com essa preocupação que o Constituinte resolveu inserir no artigo 179 da Constituição a determinação de tratamento diferenciado para as microempresas  e empresas de pequeno porte, para a garantia de manutenção das mesmas, pois sem tal tratamento dificilmente poderiam competir com agentes econômicos detentores de poder de mercado.

Assim dispõe o artigo 179 da Constituição Federal[4]:

Art.179. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios dispensarão às microempresas e às empresas de pequeno porte, assim definidas em lei, tratamento jurídico diferenciado, visando a incentivá-las pela simplificação de suas obrigações administrativas, tributárias, previdenciárias e creditícias, ou pela eliminação ou redução destas por meio de lei.

Portanto, é clara a dicção constitucional no sentido de se simplificar o tratamento jurídico em relação às microempresas e empresas de pequeno porte para incentivar sua existência, manutenção e desenvolvimento.

Logo, a Lei 11.101/05, que trata da recuperação de empresas e falência, ao instituir um mecanismo de recuperação da empresa, possibilitando a sua reestruturação e manutenção, deveria dar atenção especial às microempresas e empresas de pequeno porte, simplificando com relação a estas, as regras referentes à recuperação judicial ordinária ou comum, proporcionando os mesmos benefícios, porém com a flexibilização dos requisitos exigidos.

2. RECUPERAÇÃO JUDICIAL ESPECIAL

Para ter direito ao plano especial de recuperação, cuja previsão está no artigo 70 da lei 11.101/2005, é necessário estar enquadrado como microempresa ou empresa de pequeno porte, conforme requisitos estabelecidos no artigo 3º da Lei Complementar 123/06, ressalvadas as exceções previstas no parágrafo 4º, do artigo 3º: [5]

Art. 3º Para os efeitos desta Lei Complementar, consideram-se microempresas ou empresas de pequeno porte a sociedade empresária, a sociedade simples, a empresa individual de responsabilidade limitada e o empresário a que se refere o art. 966 da Lei n º 10.406, de 10 de janeiro de 2002 (Código Civil), devidamente registrados no Registro de Empresas Mercantis ou no Registro Civil de Pessoas Jurídicas, conforme o caso, desde que:

I – no caso da microempresa, aufira, em cada ano-calendário, receita bruta igual ou inferior a R$ 360.000,00 (trezentos e sessenta mil reais); e

II – no caso da empresa de pequeno porte, aufira, em cada ano-calendário, receita bruta superior a R$ 360.000,00 (trezentos e sessenta mil reais) e igual ou inferior a R$ 3.600.000,00 (três milhões e seiscentos mil reais).

A utilização do plano especial de recuperação é opcional, sendo que para utilizá-lo, a micro ou pequena empresa deve firmar a intenção de fazê-lo, na petição inicial, conforme se extrai da leitura do artigo 70, §1º da lei 11.101/2005.

Portanto, a microempresa ou empresa de pequeno porte em dificuldades financeiras e com possibilidade de recuperação, poderá optar tanto pela recuperação judicial ordinária, quanto pela recuperação baseada em plano especial, desde que preencha os requisitos para tanto, estabelecidos no artigo 71 da lei de recuperações e falências e que faça tal opção.

O plano especial de recuperação judicial deve ser apresentado no prazo de 60 dias a partir da publicação da decisão judicial que deferir o processamento da recuperação.

Esse plano, antes da Lei Complementar 147/2014, abrangia apenas os créditos quirografários, com exceção daqueles a que se referem o artigo 49, parágrafo 3º e do artigo 71, inciso I,  da Lei de falências, os quais poderiam ser parcelados em até trinta e seis meses, corrigidos monetariamente e acrescidos de juros de doze por cento ao ano, sendo que a primeira parcela poderia ser paga em até cento e oitenta dias contados da distribuição do pedido de recuperação.

Agora, após a alteração legislativa, o plano especial poderá abranger todos os créditos,  com exceção dos créditos fiscais, dos repasses de recursos oficiais do artigo 71, inciso I e os créditos do artigo 49, parágrafos 3º e 4º, da lei 11.101/05.

Também foi alterada a forma de quantificação dos juros e correção monetária, os quais passaram a ser correspondentes à taxa Sistema Especial de Liquidação e Custódia (SELIC), taxa que embute tanto os juros quanto a correção.

A Lei complementar 147/2014 possibilitou, ainda, a inserção no plano de proposta de abatimento do valor das dívidas, o que não era possível no regime anterior.

Quanto à forma de parcelamento e o prazo para o pagamento da primeira parcela, não houve alteração, continua sendo possível o parcelamento em até 36 meses sendo que a primeira parcela poderia ser paga em até cento e oitenta dias contados da distribuição do pedido de recuperação

No caso da recuperação especial, quem concede a recuperação aprovando o plano é o juiz, verificado o preenchimento dos requisitos.

Entretanto, caso haja objeções por parte dos credores titulares de mais da metade de qualquer uma das classes de créditos, o juiz deverá decidir pela improcedência do pedido de recuperação e decretar a falência.

Cabe ressaltar que a lei complementar 147/2014 incluiu na classe dos créditos com privilégio especial, os créditos em favor dos microempreendedores individuais e das microempresas e empresas de pequeno porte, reconhecendo dessa forma, a necessidade de se atender ao tratamento diferenciado determinado pela Constituição.

Portanto, observa-se que o plano de recuperação especial consiste basicamente em concessão de uma dilação no prazo para pagamento dos créditos existentes na data do pedido de recuperação da micro ou pequena empresa em dificuldades financeiras, com a possibilidade de parcelamento dos mesmos, com a incidência de juros.

2.1 PLANO DE RECUPERAÇÃO ESPECIAL E PLANO DE RECUPERAÇÃO ORDINÁRIO

Tanto a recuperação judicial ordinária, quanto a recuperação judicial com base em plano especial devem atender aos requisitos dos artigos 48 e 51 da lei 11.101/05.

Portanto, a empresa que requerer a recuperação judicial, independentemente do tipo de plano, deve estar exercendo sua atividade há mais de dois anos; não ser falido ou, se foi, ter suas responsabilidades extintas por meio de sentença transitada e julgado; não ter sido condenado, ou não ter administrador ou sócio controlador condenado por crime falimentar.

Outro requisito necessário e que sofreu alteração pela Lei complementar 147/2014 é quanto ao prazo de impossibilidade de se requerer nova recuperação quando concedida recuperação anterior.

Antes da alteração legislativa, para requerer recuperação com base em plano ordinário, o devedor não poderia ter requerido recuperação judicial nos últimos cinco anos, e se com base no plano especial, deveria aguardar um lapso de oito anos.

Atualmente, esses prazos foram unificados para 5 anos, atendando ao reclame da doutrina que sempre apontou a inconstitucionalidade de se impor prazos diferenciados mais gravosos para as microempresas e empresas de pequeno porte, o que ia de encontro à determinação constitucional.

A petição inicial da recuperação judicial deverá ser instruída com a exposição da situação econômica e das razões da crise econômico-financeira; as demonstrações contábeis relativas aos três últimos exercícios sociais; relação nominal completa de credores; relação integral dos empregados; certidão de regularidade no Registro de Empresas; relação de bens particulares dos sócios controladores e administradores; extratos bancários e de aplicações financeiras; certidão negativa do cartório de protestos; e relação de todas as ações judiciais em que este figure como parte, com a estimativa dos respectivos valores demandados.

No caso das microempresas e empresas de pequeno porte, poderão apresentar escrituração simplificada, permissão que visa atender à determinação constitucional de tratamento diferenciado favorecido.

Tanto no caso da recuperação baseada em plano comum quanto em plano especial, não podem ser objeto do plano, por força do disposto no artigo 49, parágrafos 3º e 4º, os créditos decorrentes de alienação fiduciária em garantia, leasing, promessa de compra e venda de imóvel com cláusula de irrevogabilidade ou irretratabilidade, contrato de venda com reserva de domínio e contrato de adiantamento de câmbio para exportação.

No caso da recuperação baseada em plano especial, os créditos decorrentes de repasse de recursos oficiais também não podem ser incluídos no plano.

Quanto aos créditos fiscais, a lei complementar 147/2014 determinou que nos parcelamentos, as microempresas e empresas de pequeno porte farão jus a prazos 20% superiores àqueles regularmente concedidos às demais empresas, mais uma mudança legislativa que veio a atender à determinação constitucional de tratamento diferenciado.

O  artigo 50 da lei 11.101/05 elenca os meios de recuperação que poderão ser adotadas pelo empresário no plano de recuperação ordinário, dentre  eles: concessão de prazo e condições especiais para pagamento; operações societárias; alteração do controle societário; substituição total ou parcial dos administradores do devedor ou modificação de seus órgãos administrativos; aumento do capital social; trespasse ou arrendamento de estabelecimento; redução salarial, compensação salarial e de jornada; dação em pagamento ou novação de dívidas do passivo; constituição de sociedade de credores; venda parcial dos bens;  equalização de encargos financeiros relativos a débitos de qualquer natureza; usufruto da empresa; administração compartilhada; emissão de valores mobiliários; e constituição de sociedade de propósito específico para adjudicar, em pagamento dos créditos, os ativos do devedor.

Com exceção dos créditos trabalhistas que possuem forma vinculada prevista no artigo 54 (o plano não poderá prever prazo superior a um ano para pagamento dos créditos trabalhistas vencidos até a data do pedido de recuperação nem prever prazo superior a 30 dias para o pagamento, até o limite de 5 salários mínimos por trabalhador vencidos nos 3 meses anteriores ao pedido de recuperação), o devedor pode escolher o meio de recuperação que julgar mais adequado, ou seja, conforme ensina Ricardo Negrão[6], os meio de recuperação são “inúmeros, não se limitando aos descritos no art. 50, podendo referir-se a alguns aspectos da vida da empresa ou a vários deles”.

Como se percebe, o plano de recuperação judicial comum pode contar com vários meios para ajudar na recuperação da empresa, à escolha do devedor, diferentemente do plano especial de recuperação, o qual somente poderá utilizar como meio de recuperação a dilação e parcelamento do pagamento dos créditos, podendo conter proposta de abatimento do valor da dívida, na estrita forma prevista no artigo 71 da lei 11.101/05, o que prejudica o microempresário e o empresário de pequeno porte, que não pode escolher outro meio de negociação da dívida, conforme explana Marlon Tomazette[7]:

Esse plano especial, porém, é limitado, ou seja, o devedor não tem liberdade para escolher os meios de recuperação, a própria lei os define. Nesse particular, a recuperação especial não se mostra tão benéfica, pois restringe o poder do devedor de indicar os meios para superação da crise.

No caso do plano de recuperação comum, se houver objeção  por qualquer dos credores, a assembleia geral de credores será convocada para deliberar acerca da aprovação ou não do plano apresentado, ou ainda, sua modificação, desde que não implique diminuição dos direitos exclusivamente dos credores ausentes.

Já com relação ao plano especial de recuperação, como foi mencionado anteriormente, quem decide pela aprovação é o juiz, o qual verificará se foram atendidas ou não as exigências legais, desde que não haja a objeção de mais da metade dos credores titulares dos créditos, caso em que o juiz deverá julgar improcedente o pedido.

Dessa forma, se houver a objeção de menos da metade dos credores envolvidos no plano especial, o juiz concederá a recuperação, desde que cumpridos os demais requisitos legais, entretanto, se mais da metade dos credores fizer objeções, o juiz deverá decretar a falência.

Existe um debate doutrinário acerca da convolação em falência ou não oriunda do não preenchimento dos requisitos legais pelo autor do pedido de recuperação judicial com base em plano especial, no caso de não ter havido objeção por mais da metade dos credores, tendo em vista a ausência de previsão legal expressa.

Para Gladston Mamede[8], se não houver o atendimento a todos os requisitos estabelecidos em lei, o juiz deverá decidir pela improcedência do pedido, com a consequente decretação da falência, por interpretação do artigo 72, parágrafo único da lei 11.101/2005:

Ora, (1) por técnica legislativa, cabe ao caput a regra e ao parágrafo os esclarecimentos ou ressalvas. No caso, colocou-se a procedência do pedido no caput e, em oposição, a improcedência do pedido no parágrafo único, que se interpreta, portanto, como uma só solução, uma só consequência para a hipótese versada, qual seja, a improcedência do pedido de recuperação: a decretação da falência. (2) Por interpretação gramatical, vê-se que o advérbio também e a conjunção e estão diretamente relacionados, a significar que se previu, para as duas hipóteses, o mesmo tratamento: a improcedência do pedido e a decretação da falência. (3) Por interpretação estrutural – e, mesmo, por estilística -, sabe-se que, se estivéssemos diante de duas consequências diversas para a mesma hipótese (a improcedência do pedido), tal ressalva deveria resultar clara do texto normativo, o que não ocorre. Não se veem n conjunto do artigo (caput e parágrafo único) duas consequências diversas, mas apenas uma: a falência.

Contudo, Marlon Tomazette[9] discorda de tal posicionamento, haja vista que, não se pode interpretar extensivamente as hipóteses de falência para prejudicar a empresa:

Gladson Mamede entende que também será decretada a falência se não houver o atendimento aos requisitos legais, pois haveria uma análise do mérito do pedido e não apenas questões processuais. A nosso ver, porém, a decretação da falência só seria possível nas hipóteses previstas expressamente no artigo 73 da Lei nº 11.101/2005, dentre as quais não se encontra a falta de requisitos. O uso do aditivo também no artigo 72 se refere às demais hipóteses de convolação em falência, como a não apresentação do plano de recuperação no prazo legal. Ademais, permitir a decretação da falência em mais casos não se coaduna com a ideia do tratamento privilegiado às microempresas e empresas de pequeno porte.

Para Manoel Justino Bezerra Filho[10], também, não é possível a falência decretada por analogia, pois a falência atinge a empresa de forma tão grave que somente poderá ser decretada nas hipósteses especificamente e expressamente  previstas em lei.

Fazer uma interpretação ampliativa das hipóteses expressamente previstas em lei para analogicamente determinar a falência da empresa que tiver seu pedido de recuperação baseado em plano especial por falta de preenchimento dos requisitos legais, sem a objeção da maioria dos credores quirografários, seria ir de encontro ao Princípio Constitucional da Legalidade, o que não pode ser admitido.

Portanto, neste caso, deve-se aplicar o que foi determinado em lei no artigo 72, caput, numa interpretação a contrario sensu, ou seja, o juiz não concederá a recuperação judicial se não forem atendidas as demais exigências da lei, contudo sem se falar em decretação de falência.

De acordo com o artigo 6º da atual lei 11.101/2005, o deferimento da recuperação judicial suspende o curso da prescrição, assim como, também, todas as ações e execuções em face do devedor, inclusive aquelas dos credores particulares do sócio solidário, pelo prazo improrrogável de 180 dias, contados do deferimento do processamento da recuperação, independente de estar contido no plano ou não.

Entretanto, no artigo 71, parágrafo único, a lei estabelece que o pedido de recuperação com base em plano especial não importa em suspensão do curso da prescrição nem das ações, nem das execuções por créditos não abrangidos pelo plano, o que desrespeita a determinação constitucional de tratamento favorecido às microempresas e empresas de pequeno porte.

Por fim, outra diferença entre os dois planos se dá quanto à administração da empresa. Enquanto quem opta pela recuperação comum não pode alienar ou onerar bens e direitos, não relacionados no plano de recuperação, sem autorização do juiz, depois de ouvido o Comitê; aquele que optar pelo plano especial, além dessas restrições, não pode aumentar despesas ou contratar empregados sem a autorização do juiz, depois de ouvido o administrador judicial e o Comitê de credores. Ou seja, para a recuperação especial, o legislador aumentou a quantidade de restrições à administração da empresa, ao invés de se facilitar.

Manoel Justino Bezerra Filho[11], chama a atenção para as dificuldades na administração da empresa que podem ser geradas pela necessidade de se contratar empregados imediatamente, inclusive no caso de substituição de empregados do quadro já existente, tendo em vista que a lei não fez ressalvas quanto à contratação de empregado para a substituição de outro, sem aumento de despesas, e, ainda, impôs a necessidade de consulta ao Comitê de credores, o qual, em tese deveria ser constituído através de Assembleia Geral, a qual é dispensada para os optantes pelo plano especial de recuperação.

2.2 RECUPERAÇÃO JUDICIAL ESPECIAL E A CONCORDATA PREVENTIVA

A antiga legislação de falências, Decreto-lei 7661/45, previa a concordata preventiva, instituto do direito falimentar utilizado para evitar a falência, possibilitando a recuperação do comerciante através da dilação de prazo para pagamento de créditos quirografários.

A concordata preventiva se assemelha bastante à recuperação judicial com base em plano especial para micro e pequenas empresas da lei 11.101/2005, o que, chega a ser contraditório, tendo em vista que, se a recuperação judicial foi criada para melhor atender à finalidade social da empresa, possibilitando a sua manutenção, objetivo que era difícil de ser alcançado com o regramento da antiga concordata, então, por qual razão se atribuiu sistemática tão semelhante à da concordata ao plano especial para as microempresas e empresas de pequeno porte?

Se a Constituição Federal determina um tratamento favorecido às microempresas e empresas de pequeno porte, então, não se deveria ter atribuído às mesmas um regramento de recuperação quase que idêntico à antiga concordata, até porque, um dos motivos da mudança na legislação falimentar foi a ineficiência da concordata para a manutenção das empresas.

As microempresas e empresas de pequeno porte se vêem, então, atreladas à opção de uma recuperação judicial abrangente, que poderia sim proporcionar a sua manutenção de atividade, porém de acesso difícil devido aos custos elevados do processo, ou, optar por um plano idêntico ao da antiga concordata, que limita o meio adotado para a recuperação apenas ao parcelamento do pagamento dos créditos  e limitação dos juros referentes aos mesmos, que muitas vezes não seria a melhor forma de recuperação para a empresa ou que se mostra inócua.

Manoel Justino Bezerra Filho[12] comunga desse entendimento:

A lei, neste aspecto, em uma análise mais abrangente, chega a ser contraditória. Se a formação era de que a lei de 1945 precisaria ser mudada, porque a concordata não propiciava qualquer condição de recuperação à empresa, parece não haver justificativa para que se conceda à pequena empresa um sistema tão semelhante à concordata anterior.

Antes da alteração promovida pela lei complementar 147/2014, a recuperação judicial com base em plano especial, da mesma forma que a concordata preventiva, somente poderia abranger os créditos quirografários com o parcelamento do débito com dilação do prazo para pagamento da primeira parcela.

Atualmente, conforme já mencionado, é possível a inclusão no plano especial de qualquer crédito à exceção do fiscal, de repasses oficiais e os previstos nos parágrafos 3º e 4º do artigo 49.

No regramento da antiga lei de falências, também estava impedido de impetrar nova concordata o devedor que a tivesse utilizado há menos de cinco anos ou que não cumpriu concordata que foi requerida há mais tempo, mesmo requisito temporal da atual recuperação judicial especial, depois da alteração pela Lei complementar 147/2014.

Cabe ressaltar que antes da alteração legislativa em 2014, a lei impunha tratamento mais gravoso para as microempresas e empresas de pequeno porte, ao exigir um lapso temporal de 8 anos entre a obtenção de uma recuperação judicial com base em plano especial e outra.

Logo, a alteração promovida pea LC 147/2014 corrigiu essa exigência inconstitucional, na medida em que, a regra imposta pela redação original da lei 11.101/2005, ao invés de facilitar as condições para acesso à recuperação judicial com base em plano especial pelas microempresas e empresas de pequeno porte, dificultava o seu acesso, impondo prazo superior ao exigido para a recuperação judicial ordinária, sem motivo razoável para tanto.

Outra semelhança entre os requisitos para a concordata preventiva e a recuperação judicial especial é quanto ao tempo de exercício da atividade por no mínimo 2 anos.

Quanto ao processamento, o pedido de concordata deveria ser feito ao Juízo, o qual decidiria pela concessão ou não, após prazo para embargos por parte dos credores e de ouvido representante do Ministério Público, sendo que a concordata concedida obrigava a todos os credores quirografários, civis ou comerciantes, admitidos ou não no passivo.

Da mesma forma, o juiz concederá a recuperação judicial com base em plano especial se atendidas as exigências legais, independentemente de convocação de assembleia geral de credores, e desde que não haja objeções de mais da metade dos créditos abrangidos pelo plano.

Quanto às condições de pagamento dos créditos, na antiga concordata preventiva, o devedor deveria oferecer aos credores quirografários, no seu pedido, o pagamento mínimo de 50% do crédito se realizado à vista ou 60%, 75%, 90% ou 100% do crédito, se a prazo, respectivamente, de 6, 12, 18 ou 24 meses, sendo que, no caso do pagamento em 18 ou 24 meses, 2/5 do crédito deveria ser pago no primeiro ano.

Além disso, os créditos sujeitos à concordata deveriam ser atualizados  e incidindo juros compensatórios a uma taxa de 12% ao ano a partir do ajuizamento do pedido, com relação às obrigações já vencidas.

Já de acordo com a lei 11.101/05, o parcelamento do débito, no plano especial, poderá ser feito em até 36 parcelas mensais, iguais e sucessivas, sendo que o pagamento da primeira parcela se dará, no máximo, em até 180 dias contados da distribuição do pedido de recuperação judicial.

Antes da lei complementar 147/2014, os créditos sujeitos ao plano especial deveriam ser corrigidos monetariamente e acrescidos os juros de 12% ao ano, ou seja, utilizava a mesma sistemática da concordata preventiva, e não se permitia o abatimento dos valores das dívidas. Depois da alteração legislativa passa-se a aplicar a taxa SELIC para corrigir e incidir os juros sobre os créditos abrangidos pelo plano  e a se permitir a inclusão de proposta de abatimento do valor do crédito.

Na seara da suspensão de ações e de execuções contra o devedor, tanto na concordata preventiva quanto no plano de recuperação especial, somente pode se dar com relação aos créditos abrangidos pelo plano. Os demais créditos continuam exigíveis, diferentemente do que ocorre no plano de recuperação ordinário, em que se suspende a exigência dos créditos abrangidos ou não pelo plano.

Como se percebe são várias as semelhanças entre a antiga concordata preventiva e a atual recuperação judicial com base em plano especial para as microempresas e empresas de pequeno porte.

3. APLICAÇÃO PRÁTICA DA RECUPERAÇÃO ESPECIAL

Apesar de estabelecer um regime diferenciado, com requisitos direcionados apenas às microempresas e empresas de pequeno porte, a recuperação judicial baseada em plano especial é pouco utilizada.

De acordo com o jornal Valor Econômico[13], em pesquisa realizada pelo Sebrae, demonstrou que dos seiscentos e noventa e cinco pedidos de recuperação feitos na Justiça de junho de 2005 até março de 2011, apenas cerca de vinte e três por cento partiram de micro e pequenas empresas, embora as mesmas representem noventa e nove por cento do total de empresas brasileiras e tenham um índice de mortalidade de vinte e dois por cento após o primeiro ano de vida.

De acordo com estudo realizado pela Fundação Getúlio Vargas[14], a pedido do Ministério da Justiça, o efeito prático da recuperação judicial com apresentação de plano especial é praticamente nulo.

Antes da lei complementar 147/2014, a lei 11.101/2005 ao invés de oferecer uma sistemática que proporcionasse a negociação de todos os débitos permitidos na recuperação judicial ordinária, possibilitava a inserção apenas dos créditos quirografários  ao plano especial, o que quase sempre não se mostrava eficaz para retirar a empresa da crise.

Hoje, com a possibilidade de se incluir outros créditos que não somente os quirografários no plano especial, bem como a possibilidade de se dilatar o prazo para o parcelamento fiscal em 20% com relação aos prazos concedidos para os demais tipos de empresa, é provável que o instituto da recuperação judicial com base em plano especial passe a ser mais utilizado, pois trará mais vantagens que quando das regras anteriores.

Porém, apesar do avanço, ainda não se trata de um regramento que atende totalmente à determinação constitucional de tratamento favorecido às microempresas e empresas de pequeno porte, pois à semelhança da antiga concordata preventiva, a lei fixou o modo como se dará a recuperação, vinculando a forma do plano de recuperação apenas ao parcelamento e a dilação do pagamento da dívida, enquanto que na recuperação judicial ordinária é possível escolher o melhor modo de se recuperar a empresa.

A doutrina critica essa limitação da forma de recuperação da empresa que opta pelo plano especial, pois muitas vezes o parcelamento não é a forma mais eficiente para retirar a empresa da crise.

Para André Luiz Santa Cruz Ramos[15], “o plano especial disciplinado pela LRE não atendeu às expectativas, uma vez que se resume, basicamente, a um curto parcelamento de seus débitos quirografários”.

Para o Senador Ramez Tebet[16], que participou da elaboração da atual lei de falências, o plano de recuperação especial foi inspirado nos moldes da concordata. Para ele, a recuperação especial “precisa estar sujeita a limitações e requisitos mais rigorosos, a fim de evitar o abuso por parte dos devedores. Por isso é que se prevê forma rígida e prazo de oito anos entre uma concessão e a seguinte”.

Tal argumentação vai totalmente de encontro ao que determina a Constituição Federal quanto ao tratamento diferenciado e mais benéfico às microempresas e empresas de pequeno porte.

A recuperação baseada em plano especial deveria estar pautada em requisitos e limitações mais benéficas, proporcionando, assim, maior acesso pelas microempresas e empresas de pequeno porte, contudo, as regras estabelecidas para a recuperação judicial especial tiveram o efeito de dificultar o acesso do micro e pequeno empresário à recuperação judicial, ou seja, o que se buscou com esses requisitos está completamente díspare com relação à determinação constitucional de tratamento favorecido às micro e pequenas empresas.

No parecer do Senador Ramez Tebet, relator da lei 11.101/05, ele esclarece:

Saliente-se, ainda, que a inclusão de créditos não quirografários e a maior flexibilidade nos termos do plano especial – ao contrário do que pode parecer em um exame desatento e ingênuo do assunto – traria prejuízo, e não benefício, às micro e pequenas empresas, pois o risco envolvido em qualquer negócio realizado com elas seria sobremaneira agravado na avaliação do mercado. Dessa forma, os pequenos teriam o custo do seu crédito aumentado significativamente ou simplesmente perderiam acesso ao financiamento de sua atividade.[17]

Diante disso, fica clara que a intenção de se estabelecer condições mais restritas e maior rigor para o acesso à recuperação específica para micro e pequenas empresas a pretexto de que se o acesso à recuperação judicial fosse facilitado, haveria dificuldades por parte das microempresas e empresas de pequeno porte para a realização de negócios, o que, mais uma vez, vai totalmente de encontro ao texto constitucional.

O que se conseguiu, na realidade, foi dificultar o acesso das pequenas empresas à recuperação judicial ordinária, devido aos elevados custos, e também o desestímulo à recuperação judicial baseada em plano especial, levando-se em conta a quantidade de restrições à elaboração do plano.

O Legislador acabou corrigindo algumas dessas distorções por meio da Lei complementar 147/2014, entretanto, manteve a sistemática de única forma de recuperação para quem opta pelo plano especial: o parcelamento do débito.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Levando-se em consideração todo o exposto, partindo-se de uma interpretação teleológica da Constituição Federal, passando pela comparação entre os dois regimes de recuperação judicial, bem como com o antigo regime da concordata preventiva, pode-se concluir que, apesar de a lei de falências ter se preocupado em estabelecer um regime de recuperação judicial próprio para as microempresas e empresas de pequeno porte, acabou por não atender ao preceito constitucional de tratamento diferenciado e favorecido a fim de proporcionar melhores condições de manutenção de tais empresas.

Sinal dessa dificuldade foi o resultado da pesquisa realizada pelo SEBRAE que aponta a quase inexistência de recuperações judiciais de microempresas e empresas de pequeno porte.

Logo, diante da dificuldade de preenchimento dos requisitos necessários para a concessão da recuperação judicial ordinária, bem como seus elevados custos, e das demasiadas restrições ao plano especial de recuperação, o qual não abrange créditos que muitas vezes representa a maior parte da dívida da empresa, bem como estipula como forma de recuperação somente o parcelamento da dívida com juros fixos, a maioria das microempresas e empresas de pequeno porte ao entrar em dificuldades não dispõem de um meio de recuperação eficaz e menos custoso e acabam optanto pelo fechamento ou sofrendo falência.

Um verdadeiro tratamento diferenciado e benéfico à microempresa e empresa de pequeno porte, de forma a atender aos preceitos constitucionais, deveria proporcionar os mesmos meios de recuperação previstos para quem opta pelo procedimento comum, entretanto, flexibilizando algumas etapas do procedimento, de forma a diminuir os custos do pedido de recuperação, como ocorre com a dispensa da instalação da assembleia de credores, a qual já foi prevista pela lei atual.

As alterações promovidas pela lei complementar 147/2014 foram um avanço, pois corrigiu algumas das distorções observadas na redação original da lei 11.101/2005, a qual ao invés de possibilitar um tratamento mais favorecido às microempresas e empresas de pequeno porte para que pudessem realmente se recuperar, acabava por dificultar o acesso à recuperação judicial.

285 comentários

  1. I simply want to say I am very new to blogs and certainly liked you’re web site. Almost certainly I’m planning to bookmark your blog . You really come with exceptional articles. Bless you for sharing with us your web site.

  2. Very nice post. I just stumbled upon your blog and wanted to say that I’ve really enjoyed browsing your blog posts. In any case I’ll be subscribing to your rss feed and I hope you write again soon!

  3. Following study a few of the articles on your website these types of few days, and that i really much like your style of blogging. I tag this to my personal save website checklist and will likely be checking back quickly. Pls check out my personal website too and tell me your thought.

  4. Thank you for some other informative web site. Where else may just I am getting that type of information written in such a perfect means? I’ve a undertaking that I am simply now operating on, and I have been at the look out for such info.

  5. You will have not intended to do so, but I think you’ve managed to express the state of mind that quite a lot of consumers are in. The sense of wanting to assistance, but not knowing how or where, is one thing a lot of us are going via.

  6. Oh my goodness! a wonderful write-up dude. Thanks Nonetheless My business is experiencing problem with ur rss . Don’t know why Unable to register for it. Is there anybody acquiring identical rss issue? Anyone who knows kindly respond. Thnkx

  7. Very nice post. I just stumbled upon your weblog and wanted to say that I have truly enjoyed browsing your blog posts. After all I’ll be subscribing to your feed and I hope you write again soon!

  8. I simply want to tell you that I am just all new to blogging and definitely enjoyed this web-site. Most likely I’m likely to bookmark your site . You surely come with great posts. With thanks for sharing your webpage.

  9. I simply want to mention I am new to blogs and honestly savored this web page. Almost certainly I’m likely to bookmark your site . You surely have beneficial article content. Cheers for revealing your web-site.

  10. Just want to say your article is as amazing. The clarity in your publish is simply cool and that i can suppose you are an expert in this subject. Well along with your permission let me to grasp your feed to keep updated with coming near near post. Thank you one million and please carry on the enjoyable work.

  11. An outstanding share! I have just forwarded this onto a friend who was conducting a little research on this. And he actually ordered me dinner due to the fact that I found it for him… lol. So let me reword this…. Thanks for the meal!! But yeah, thanx for spending the time to discuss this topic here on your web site.

  12. Howdy! This blog post couldn’t be written any better! Looking at this article reminds me of my previous roommate! He constantly kept talking about this. I will send this information to him. Pretty sure he’ll have a good read. Thanks for sharing!

  13. You’re so awesome! I do not believe I have read a single thing like that before. So nice to discover somebody with a few genuine thoughts on this issue. Really.. thank you for starting this up. This web site is something that’s needed on the internet, someone with a bit of originality.

  14. I’m impressed, I must say. Rarely do I come across a blog that’s equally educative and amusing, and without a doubt, you’ve hit the nail on the head. The problem is something that not enough people are speaking intelligently about. Now i’m very happy I found this in my search for something concerning this.

  15. Hi, I do think this is an excellent blog. I stumbledupon it 😉 I’m going to return yet again since I book marked it. Money and freedom is the greatest way to change, may you be rich and continue to help other people.

  16. I blog quite often and I seriously thank you for your information. This article has really peaked my interest. I am going to book mark your blog and keep checking for new details about once a week. I opted in for your Feed too.

  17. Howdy! This blog post couldn’t be written much better! Looking at this article reminds me of my previous roommate! He always kept preaching about this. I am going to send this post to him. Pretty sure he will have a great read. I appreciate you for sharing!

  18. Hello! I could have sworn I’ve been to your blog before but after looking at some of the posts I realized it’s new to me. Regardless, I’m definitely pleased I discovered it and I’ll be book-marking it and checking back regularly.

  19. Do you have a spam problem on this website; I also am a blogger, and I was wanting to know your situation; we have developed some nice practices and we are looking to exchange strategies with others, why not shoot me an email if interested.

  20. Hi there! I could have sworn I’ve visited this web site before but after browsing through a few of the articles I realized it’s new to me. Regardless, I’m certainly pleased I discovered it and I’ll be book-marking it and checking back regularly.

  21. Hiya, I am really glad I’ve found this information. Today bloggers publish just about gossip and internet stuff and this is really irritating. A good web site with exciting content, that is what I need. Thanks for making this website, and I will be visiting again. Do you do newsletters? I Can’t find it.

  22. Right here is the right website for anyone who hopes to find out about this topic. You realize so much its almost hard to argue with you (not that I personally will need to…HaHa). You certainly put a brand new spin on a topic which has been written about for decades. Wonderful stuff, just excellent.

  23. I’m impressed, I must say. Seldom do I encounter a blog that’s both educative and engaging, and without a doubt, you have hit the nail on the head. The issue is an issue that too few people are speaking intelligently about. I am very happy I stumbled across this during my hunt for something regarding this.

  24. An intriguing discussion is definitely worth comment. I do believe that you ought to write more on this topic, it may not be a taboo subject but usually people do not discuss such subjects. To the next! Kind regards!

  25. Hello there! I just want to offer you a huge thumbs up for the excellent information you have right here on this post. I’ll be returning to your blog for more soon.

  26. Hello! I could have sworn I’ve visited this site before but after looking at a few of the articles I realized it’s new to me. Anyways, I’m definitely delighted I found it and I’ll be book-marking it and checking back regularly!

  27. I just want to mention I am beginner to blogging and honestly savored you’re blog site. Likely I’m planning to bookmark your site . You actually have superb articles. Cheers for sharing with us your webpage.

  28. Hiya, I’m really glad I have found this information. Nowadays bloggers publish just about gossips and internet and this is actually frustrating. A good blog with exciting content, this is what I need. Thank you for keeping this web-site, I will be visiting it. Do you do newsletters? Cant find it.

  29. Wow I just adore her! She is beautiful and a really good actor. I don’t think the show V is all that good, however I watch it anyway just so I can see Morena. And I don’t know if you’ve ever seen her do an interview but she is also rather comical and it seems so natural for her. I personally never even heard of her before The V, now I’ll watch anything she’s on.

  30. Hi there, just became alert to your blog through Google, and found that it’s truly informative. I’m gonna watch out for brussels. I will be grateful if you continue this in future. A lot of people will be benefited from your writing. Cheers!

  31. I just couldn’t leave your website before suggesting that I really enjoyed the standard information an individual provide to your guests? Is going to be back incessantly in order to investigate cross-check new posts.

  32. Can I say that of a relief to locate somebody that in fact knows what theyre talking about over the internet. You definitely know how to bring a challenge to light and produce it important. The diet ought to check out this and understand why side in the story. I cant believe youre not more well-liked when you absolutely provide the gift.

  33. Hi there just wanted to give you a quick heads up. The text in your post seem to be running off the screen in Firefox. I’m not sure if this is a format issue or something to do with browser compatibility but I figured I’d post to let you know. The design look great though! Hope you get the issue fixed soon. Kudos

  34. Hello there, just became alert to your blog through Google, and found that it’s truly informative. I am going to watch out for brussels. I’ll be grateful if you continue this in future. Lots of people will be benefited from your writing. Cheers!

  35. I think this is one of the most vital info for me. And i am glad reading your article. But wanna remark on some general things, The web site style is perfect, the articles is really excellent : D. Good job, cheers

  36. I do agree with all the ideas you have presented in your post. They are very convincing and will certainly work. Still, the posts are very short for starters. Could you please extend them a bit from next time? Thanks for the post.

  37. Wow! This could be one particular of the most helpful blogs We have ever arrive across on this subject. Basically Great. I’m also a specialist in this topic therefore I can understand your hard work.

  38. The core of your writing while sounding reasonable at first, did not really work properly with me after some time. Someplace within the sentences you actually managed to make me a believer but only for a short while. I nevertheless have got a problem with your leaps in assumptions and you might do well to fill in those breaks. If you actually can accomplish that, I will definitely end up being amazed.

  39. Oh my goodness! an incredible article dude. Thanks Nonetheless I’m experiencing difficulty with ur rss . Don’t know why Unable to subscribe to it. Is there anyone getting similar rss drawback? Anyone who is aware of kindly respond. Thnkx

  40. I have observed that rates for on-line degree authorities tend to be a great value. Like a full College Degree in Communication from The University of Phoenix Online consists of 60 credits with $515/credit or $30,900. Also American Intercontinental University Online provides a Bachelors of Business Administration with a complete school feature of 180 units and a cost of $30,560. Online learning has made taking your certification so much easier because you might earn your own degree through the comfort of your house and when you finish from work. Thanks for all your other tips I’ve learned from your site.

  41. Pretty portion of content. I just stumbled upon your web site and in accession capital to claim that I acquire actually loved account your weblog posts. Any way I’ll be subscribing in your augment and even I achievement you get admission to constantly quickly.

  42. One more thing. It’s my opinion that there are numerous travel insurance web pages of reputable companies that permit you to enter your trip details and acquire you the prices. You can also purchase the international holiday insurance policy on the internet by using the credit card. All you have to do is to enter all travel details and you can see the plans side-by-side. Merely find the system that suits your finances and needs after which use your bank credit card to buy that. Travel insurance on the internet is a good way to begin looking for a trustworthy company to get international travel insurance. Thanks for sharing your ideas.

  43. Very interesting details you have remarked, regards for putting up. “The only thing worse than a man you can’t control is a man you can.” by Margo Kaufman.

  44. Thank you, I’ve just been searching for info about this subject for ages and yours is
    the greatest I’ve came upon so far. However, what in regards to the conclusion? Are you sure about the source?

  45. Nice read, I just passed this onto a colleague who was doing some research on that. And he just bought me lunch because I found it for him smile So let me rephrase that: Thanks for lunch! “Bill Dickey is learning me his experience.” by Lawrence Peter Berra.

  46. May I simply say what a comfort to find a person that genuinely knows what they are talking about online. You certainly understand how to bring an issue to light and make it important. More people ought to look at this and understand this side of your story. It’s surprising you are not more popular since you definitely possess the gift.

  47. Woah! I’m really digging the template/theme of this website.
    It’s simple, yet effective. A lot of times it’s challenging to get that “perfect balance” between user friendliness and appearance.
    I must say you’ve done a superb job with this.
    Additionally, the blog loads extremely quick for me on Safari.
    Exceptional Blog!

  48. I am curious to find out what blog system you have been working with?
    I’m experiencing some minor security problems with my latest website and I would like to find something more risk-free.

    Do you have any suggestions?

  49. You can definitely see your skills in the work you write.
    The sector hopes for more passionate writers like you who are not afraid to say how they believe.
    Always follow your heart.

  50. I have to thank you for the efforts you have put in penning this blog.
    I really hope to see the same high-grade content by you in the future as well.
    In truth, your creative writing abilities has encouraged me to get my own, personal blog now ;
    )

  51. I like the valuable information you provide in your articles. I will bookmark your weblog and check again here frequently. I’m quite certain I’ll learn plenty of new stuff right here! Best of luck for the next!

  52. It’s perfect time to make some plans for the future and it’s time to be happy. I’ve read this post and if I could I wish to suggest you some interesting things or advice. Maybe you could write next articles referring to this article. I want to read more things about it!

  53. Hello there! Do you know if they make any plugins to assist with Search Engine Optimization? I’m trying to get my blog to rank for some targeted keywords but I’m not seeing very good gains. If you know of any please share. Many thanks!

  54. Thanks for sharing your ideas listed here. The other thing is that each time a problem develops with a pc motherboard, folks should not go ahead and take risk connected with repairing the item themselves because if it is not done right it can lead to permanent damage to the whole laptop. It is usually safe just to approach your dealer of the laptop for that repair of the motherboard. They have technicians who definitely have an know-how in dealing with notebook motherboard troubles and can carry out the right prognosis and perform repairs.

  55. Hmm is anyone else encountering problems with the pictures
    on this blog loading? I’m trying to find out if its a problem
    on my end or if it’s the blog. Any responses would be greatly
    appreciated.

  56. Howdy! I could have sworn I’ve been to this site before but after browsing through some of the post I realized it’s new to
    me. Anyways, I’m definitely happy I found it and I’ll be
    book-marking and checking back frequently!

  57. Hmm it looks like your website ate my first comment (it was super long) so I guess I’ll just sum it up what I had written and say, I’m thoroughly
    enjoying your blog. I too am an aspiring blog
    blogger but I’m still new to everything. Do you have any points for novice blog writers?
    I’d definitely appreciate it.

  58. Greate article. Keep posting such kind of information on your page.
    Im really impressed by your site.
    Hello there, You have performed an excellent job.
    I’ll certainly digg it and in my opinion recommend to my
    friends. I’m confident they’ll be benefited from this web site.

  59. Hello! I could have sworn I’ve visited this website before but after browsing through some
    of the articles I realized it’s new to me. Regardless, I’m certainly
    delighted I came across it and I’ll be book-marking it
    and checking back regularly!

  60. I blog quite often and I really appreciate your content.
    This article has really peaked my interest. I will take a note of
    your website and keep checking for new information about once a week.
    I subscribed to your RSS feed too.

  61. It’s the best time to make some plans for the future and it’s time to be happy.

    I have read this post and if I could I desire to suggest you some
    interesting things or suggestions. Perhaps you can write next articles referring to this
    article. I want to read more things about it!

  62. Great blog here! Also your website loads up very fast! What
    web host are you using? Can I get your affiliate link to your host?

    I wish my web site loaded up as quickly as yours lol

  63. A fascinating discussion is definitely worth comment.
    I believe that you need to write more about this topic, it might not be a
    taboo subject but typically people do not talk about these subjects.
    To the next! Best wishes!!

  64. Appreciating the persistence you put into your site and detailed information you present.
    It’s nice to come across a blog every once in a while that isn’t the
    same out of date rehashed material. Wonderful read!
    I’ve saved your site and I’m including your RSS feeds to
    my Google account.

  65. I just want to say I am new to blogs and truly savored you’re web blog. More than likely I’m going to bookmark your website . You amazingly come with incredible posts. With thanks for revealing your web page.

  66. It’s a shame you don’t have a donate button! I’d without a doubt donate to this outstanding blog!
    I suppose for now i’ll settle for bookmarking and adding your RSS feed to my
    Google account. I look forward to new updates and will talk about this website with my Facebook group.
    Talk soon!

  67. I do agree with all of the ideas you’ve introduced for
    your post. They’re really convincing and can certainly work.
    Still, the posts are very short for newbies. May just you please
    extend them a little from next time? Thank you for the post.

  68. Great items from you, man. I have bear in mind your stuff prior to and you are simply too excellent.
    I really like what you’ve got right here, really like what you’re stating and the way
    during which you say it. You make it entertaining
    and you still care for to keep it wise. I cant wait to
    read far more from you. That is actually a great website.

  69. Thanks for ones marvelous posting! I genuinely enjoyed reading it, you may be
    a great author. I will make certain to bookmark your blog and will eventually come back at some point.
    I want to encourage that you continue your great work, have a nice morning!

  70. Hi, I do believe this is a great website. I stumbledupon it 😉 I may return once again since i have saved as a favorite it. Money and freedom is the greatest way to change, may you be rich and continue to guide others.

  71. I really love your website.. Excellent colors & theme. Did you create this site yourself? Please reply back as I’m hoping to create my very own blog and want to find out where you got this from or what the theme is named. Kudos.

  72. Hi! I could have sworn I’ve visited your blog before but after looking at some of the posts I realized it’s new to me. Nonetheless, I’m definitely pleased I came across it and I’ll be bookmarking it and checking back frequently.

  73. I’d like to thank you for the efforts you have put in penning this website. I really hope to check out the same high-grade blog posts from you later on as well. In fact, your creative writing abilities has encouraged me to get my own, personal website now 😉

  74. After checking out a handful of the blog articles on your website, I really like your technique of blogging. I saved as a favorite it to my bookmark site list and will be checking back in the near future. Take a look at my website as well and let me know how you feel.

  75. dayd1z There as definately a great deal to find out about this topic. I love all the points you have made.

  76. Pingback: how to get cialis
  77. Pingback: doctor7online.com
  78. I simply want to tell you that I am just newbie to blogging and absolutely savored this web page. Likely I’m want to bookmark your site . You surely come with really good stories. Regards for revealing your web site.

  79. Pingback: generic viagra
  80. Pingback: medterra cbd
  81. Pingback: albuterol usa
  82. Pingback: cialis pills
  83. Pingback: cialis 20
  84. Pingback: buy naltrexone
  85. Pingback: viagra coupon
  86. Pingback: viagra 50mg
  87. Pingback: male ed pills
  88. Pingback: tadalafil 20 mg
  89. Pingback: tadalafil
  90. Pingback: pharmacy online
  91. Pingback: generic cialis
  92. Pingback: vardenafil generic
  93. Pingback: free slots
  94. Pingback: viagra alternative
  95. Pingback: cialis 20mg

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.