Novo fôlego: credores da Mendes Júnior fazem proposta ao plano de recuperação judicial

Por Hoje em Dia

A Assembleia Geral de Credores da Mendes Júnior Trading e Engenharia fez algumas modificações no plano de recuperação judicial. A empresa agora tem prazo de 60 dias para analisar as propostas e modificar formas e prazos de pagamento de uma dívida estimada em mais de R$ 350 milhões. As modificações foram aprovadas por 98% dos presentes de acordo com a representatividade, que varia conforme a classe de credores.

Foi rejeitada a proposta de um comitê de credores que negociaria diretamente com a Mendes Júnior. O novo plano também será submetido à análise da Primeira Vara Empresarial, em Belo Horizonte.

A reunião de ontem foi a segunda, uma vez que na primeira convocação, na semana passada, não foi obtido o quórum.

Para os débitos trabalhistas, representantes e funcionários se reuniram e fizeram uma proposta de correção da dívida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), além de incluir no plano “garantias para seu cumprimento”.

Pelo plano inicial, aqueles com direito a valores menores do que cinco salários mínimos (cerca de R$ 4.700) deverão receber em até 30 dias após a aprovação e homologação do acordo. Acima deste valor, o débito deverá ser dividido em até 11 parcelas.

A maior parte da dívida é com os chamados ME/EPP, sigla para microempresários e empresários de pequeno porte. São 401 credores que têm direito a receber mais de R$ 40 milhões. Na assembleia eles apresentaram uma proposta alternativa prevendo um deságio de 30% com um período de carência de 36 meses para início do pagamento e com o montante pago em 60 parcelas.

Inicialmente, o processo previa um desconto de 50% da dívida e o pagamento em uma única parcela, somente 180 meses depois da aprovação do acordo, acrescida de correção monetária.

Presente à assembleia, o advogado José Murilo Procópio de Carvalho, um dos representantes da empresa, pediu que o plano fosse aprovado para a recuperação da companhia e pela manutenção de mais de 4 mil empregos. “O dinheiro não é para a diretoria, é para a empresa que quer honrar seus compromissos”, justificou.

Situação Atual
Segundo consta no processo, a empresa conta atualmente com 4 mil funcionários e ainda é responsável pela geração de 20 mil empregos indiretos.

Por conta de processos administrativos em decorrência da Operação ‘Lava Jato’, a Mendes Júnior está proibida, desde abril do ano passado, de assinar novos contratos com empresas públicas nos níveis federal, estadual e municipal. A determinação partiu da Controladoria Geral da União (CGU) e a sanção deve se encerrar em abril do ano que vem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *