Mudança do novo CPC garantiu recuperação judicial da Schahin

Por Conjur

O artigo 942 do novo Código de Processo Civil determina que quando o resultado da apelação não for unânime, mais magistrados devem ser convocados para votar no caso. E essa convocação deverá ser feita em número suficiente para haver possibilidade de reverter o resultado.

Foi justamente essa inovação do CPC de 2015 que garantiu ao Gurpo Schahin a aprovação de sua recuperação judicial. O plano foi confirmado pela 2ª Câmara de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo nesta segunda-feira (13/3), por três votos a dois.

A decisão foi motivada por um recurso de um grupo de 13 credores da empresa, a maioria bancos, alegando que o plano apresentado seria inviável. Antes disso, a recuperação judicial da companhia tinha sido aprovada pelos credores e homologada pela Justiça em março do ano passado.

Com a homologação, a Schahin, representada por Joel Thomas Bastos, do Thomaz Bastos, Waisberg, Kurzweil Advogados, passou a pagar R$ 4 milhões mensais aos credores e aos mais de 500 empregados ativos. Antes da análise pelo TJ-SP, o recurso do grupo de credores foi negado pelo juiz responsável pela recuperação judicial, e posteriormente aceito liminarmente pelo desembargador Caio Marcelo Mendes de Oliveira, da 2ª Câmara de Direito Empresarial.

Nessa decisão, o desembargador explicou que a medida era necessária até que fossem analisadas as supostas irregularidades na votação, pela assembleia de credores, sobre o plano de recuperação. O projeto apresentado pela Schahin prevê o pagamento de todos os credores, sem deságio, ao longo dos próximos 15 anos, até 2030.

O passivo estimado é de R$ 6,5 bilhões e a inviabilidade alegada do plano citava o fato de a empresa ter como ativo apenas o atual contrato com a Petrobras para a construção navio-sonda Vitória 10.000. Segundo a assessoria de imprensa da Schahin, a companhia tem um saldo de R$ 1,6 bilhão a receber da Petrobras até 2019 e há previsão de renovação do contrato por mais dez anos.

De acordo com o jornal Valor Econômico, o desembargador Claudio Godoy, que abriu a divergência que possibilitou a reversão do placar, que até então estava em dois a zero, afirmou em seu voto que essa era a única saída viável no processo. “Existe uma questão fundamental que é a seguinte: não há nenhum outro ativo. A única chance da falência é prosseguir a exploração do contrato que está aí, que gera renda e paga os trabalhistas.”

“Esse contrato vence só em 2020. Então por que quebrar o Schahin agora?”, complementou o magistrado. Antes de Godoy, votaram os desembargadores Caio Marcelo Mendes de Oliveira, relator, e Fabio Tabosa. Confirmada a divergência, votaram os julgadores Araldo Telles e Alexandre Marcondes.

Primeira instância
No primeiro grau, o plano do Grupo Schahin foi homologado pela 2ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais de São Paulo. Em fevereiro daquele ano, a recuperação judicial tinha sido rejeitada pelos credores, mas, dias depois, o pedido foi apresentado à Justiça pelos advogados da recuperanda.

Ao homologar o plano, o juiz entendeu que o voto de alguns credores era abusivo e que o Banco Mizuho, que controlava umas das empresas que têm direito à recuperação, não poderia votar, pois configuraria conflito de interesses. De acordo com o magistrado, há no caso dois pontos que configuram o abuso dos credores: a indisponibilidade em negociar as condições e a irracionalidade econômica.

O grupo de instituições credoras do Grupo Schahin, que atua nos setores de engenharia, telecomunicações e petróleo, é formado pelos bancos HSBC, Banco Tricury, Bic Banco —detentores da maior parte da dívida —, ABC Brasil, Itaú BBA, Bradesco, Santander, Votorantim, Bonsucesso, Fibra, Pine e Rural.

Além disso, em janeiro deste ano, o Superior Tribunal de Justiça suspendeu liminarmente a penhora de crédito do Grupo Schahin feita em outubro de 2016 pela 52ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro. A decisão foi tomada pela ministra Laurita Vaz.

Ela explicou na decisão que as medidas constritivas de créditos ou bens devem respeitar o plano de recuperação judicial aprovado pela assembleia geral de credores da empresa, o que justifica que devem ser processadas pelo juízo responsável pela recuperação.

15 comentários

  1. I simply want to mention I’m beginner to weblog and truly loved you’re web page. Very likely I’m want to bookmark your site . You amazingly come with superb posts. Thanks for sharing your website.

  2. I discovered your blog internet site on google and check a few of your early posts. Continue to keep up the extremely good operate. I just extra up your RSS feed to my MSN News Reader. Looking for forward to reading much more from you later on!…

  3. There are some attention-grabbing closing dates on this article however I don’t know if I see all of them middle to heart. There is some validity but I’ll take hold opinion until I look into it further. Good article , thanks and we want more! Added to FeedBurner as nicely

  4. I think other web site proprietors should take this web site as an model – very clean and magnificent style and design, in addition to the content. You are an expert in this area!

  5. Hiya very nice website!! Guy .. Excellent .. Amazing .. I will bookmark your web site and take the feeds additionally¡KI am glad to search out a lot of useful info here in the publish, we want develop extra techniques in this regard, thank you for sharing. . . . . .

  6. I am impressed by the quality of information on this website. There are a lot of good resources here. I am sure I will visit this place again soon.

  7. Hello my friend! I want to say that this article is amazing, nice written and come with approximately all vital infos. I would like to look more posts like this .

  8. Faytech North America is a touch screen Manufacturer of both monitors and pcs. They specialize in the design, development, manufacturing and marketing of Capacitive touch screen, Resistive touch screen, Industrial touch screen, IP65 touch screen, touchscreen monitors and integrated touchscreen PCs. Contact them at http://www.faytech.us, 121 Varick Street, New York, NY 10013, +1 646 205 3214

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.