Justiça homologa plano de recuperação judicial da Infinity Bio­Energy

Por Valor Econômico

SÃO PAULO ­ O juiz Paulo Furtado, da 2ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais da Comarca de São Paulo, homologou na segunda-­feira o novo plano de recuperação judicial da companhia sucroalcooleira Infinity Bio­Energy, controlada pelo grupo Bertin. A empresa tem seis usinas e acumula um endividamento total de cerca de R$ 2 bilhões. O cálculo se baseia no câmbio de fevereiro, uma vez que aproximadamente metade da dívida é em moeda estrangeira.

O plano, desenvolvido pela consultoria EXM Partners e aprovado em assembleia em dia 29 de abril por credores que representavam mais de 80% dos valores devidos, prevê a alienação de quatro unidades para pagar parte dos credores. O valor deve abater quase toda a dívida da companhia. O plano de recuperação prevê ainda a reativação da produção nas outras duas unidades.

As usinas Usinavi, localizada em Naviraí (MS), e Ibirálcool, em Ibirapuã (BA), já estão sob controle de credores concursais (Bradesco, Santander, HSBC e fundos de investimento Carval e Amerra), com os quais a dívida da Infinity soma cerca de R$ 1 bilhão da dívida da Infinity.

Na terça-­feira, a Justiça autorizou a possibilidade de os credores leiloarem essas plantas. Se elas não forem vendidas, o valor que esses credores têm a receber será convertido em participação em ambas.

A unidade sul­-matogrossense tem capacidade de processamento de 3,4 milhões de toneladas de cana­de­açúcar por safra, enquanto a planta baiana tem capacidade de moagem de 1 milhão de toneladas.

O plano também prevê que as usinas Disa, localizada em Conceição da Barra (ES), e Alcana, localizada em Nanuque (MG), serão transferidas para os credores extra concursais e para o BNDES. Estão neste grupo os credores trabalhistas, que terão preferência para ter a dívida quitada, mas para os quais há limitação de abatimento de R$ 25 milhões do valor devido.

O grupo Infinity continuará com o controle das plantas Cridasa, localizada em Pedro Canário (ES), e Central Energética Paraíso (Cepar), de São Sebastião do Paraíso (MG), que serão responsáveis por gerar receitas para abater o restante da dívida, que é basicamente tributária. O endividamento da companhia com impostos é superior a R$ 400 milhões.

Essas duas usinas têm, juntas, capacidade de processamento de 2,7 milhões de toneladas de cana por safra e podem gerar mil empregos diretos.

Segundo Angelo Guerra Netto, sócio da consultoria EXM Partners, a permanência dessas duas unidades sob controle do grupo sucroalcooleiro é uma forma de garantir o cumprimento da lei de recuperação judicial, que prevê a continuidade da atividade empresarial para voltar a gerar receitas.

Caso existam credores que não queiram aderir ao plano, eles terão o direito de receber essas outras duas unidades. Porém, Netto diz que a expectativa é que totalidade do passivo seja quitado com alienação das quatro usinas, como previsto no plano.

A solução de vender parte dos bens da companhia sucroalcooleira foi proposta depois que o primeiro plano de recuperação judicial, ajuizado em 2009, não foi cumprido totalmente. Embora as principais premissas daquele plano, incluindo investimentos de novos acionistas, tenham ocorrido, o grupo Infinity não conseguiu cumprir o cronograma de pagamento das dívidas por causa do ciclo de queda dos preços de açúcar e etanol a partir de 2010.

“A Infinity vinha em um momento em que vários participantes e até credores não viam soluções que pudessem continuar com a operação e atender o interesse de cada uma das partes”, afirmou Netto. Segundo o consultor, a perspectiva dos credores até o ano passado era de que a companhia teria que entrar em falência.

Netto disse que a solução proposta foi possível por causa das “circunstâncias novas do setor”, em referência à tendência de recuperação dos preços do açúcar e do etanol observada já no ano passado, com a entrada da primeira safra global com déficit de oferta (2015/16).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *