Grupo SHC, incluindo JAC Motors, pede recuperação judicial

Via KBB por Gustavo Henrique Ruffo

 

Dívidas do grupo chegaria a exatos R$ 517.743.863,36, segundo a ação. Regime de recuperação judicial permite renegociá-las de modo mais vantajoso6

 

A JAC Motors viveu tempos delicados. Sua aposta em modelos baratos e bem equipados parecia excelente antes da recessão econômica que o Brasil atravessou. E que fez sumir o crédito para modelos baratos. Um dos reflexos disso foi o rompimento do grupo SHC com a PSA, em março deste ano. O outro aconteceu nesta segunda (5), quando o grupo SHC, por meio do escritório Thomaz Bastos Waisberg Kurzwel Advogados, pediu a recuperação judicial de todas as empresas do grupo SHC na 2ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais, Foro Central Cível da Comarca de São Paulo. O processo, protocolado sob o número 1113802-23.2018.8.26.0100, pede ajuda da Justiça para lidar com uma dívida que chega a R$ 517.743.863,36, de acordo com o processo. Entre as 40 empresas envolvidas no processo está a BRN Distribuidora de Veículos Ltda., que você conhece como JAC Motors.

A JAC Motors propriamente dita foi extinta em 9 de fevereiro de 2017, o que deu margem a rumores de que a empresa sairia do país, prontamente desmentidos pelo grupo à revista Quatro Rodas. A explicação, à epoca, foi que a JAC Motors foi criada em sociedade com a matriz chinesa, quando havia planos de construir uma fábrica em Camaçari para os modelos da marca. Com o cancelamento destes planos, a operação passou a ser da BRN Distribuidora, que está incluída entre as empresas que pedem a recuperação judicial.

No processo, os advogados defendem que o centro administrativo do grupo está em São Paulo, daí o pedido da recuperação judicial ser neste foro. Também justifica a presença das 40 empresas no mesmo processo por conta de o sucesso de uma interferir no das demais. Diz também que o grupo abriu mão de outras bandeiras, especificamente Volkswagen e Jaguar/Land Rover, para poder “cobrir a defasagem financeira de curto prazo causada pelas retenções unilaterais impostas pelo grupo PSA”. Por fim, faz um histórico das operações, creditando à crise econômica as dívidas que apresenta e mostrando que o novo cenário do mercado é propício ao retorno à boa saúde financeira. O plano de recuperação judicial, como determina a lei, será apresentado à Justiça em 60 dias. Considerando a importância do grupo, eis aqui um processo que o mercado acompanhará com bastante atenção.

Atualização

A assessoria de imprensa do grupo SHC preparou a seguinte nota à imprensa:

“O Grupo SHC iniciou suas atividades em 1990 como importador da marca Citroën no mercado brasileiro. Ao longo desse período, a empresa foi crescendo organicamente, até que, em 2011, com um total de 95 concessionários, atingiu a marca de 100 mil automóveis novos e usados vendidos no ano.

De 2011 a 2018, o mercado brasileiro de automóveis apresentou uma retração de mais de 30% nas vendas, consequência direta da crise econômica que assolou o país. A marca que representava o principal negócio do Grupo SHC, num movimento ainda mais expressivo, desmoronou cerca de 80% nas vendas neste período – caindo de 90 mil unidades vendidas em 2011 para menos de 20 mil em 2018.

Como consequência desse notável encolhimento e de um tratamento não isonômico, o Grupo SHC teve que fechar todas as concessionárias Citroën no país.

Em paralelo, a JAC Motors, marca que o Grupo SHC representa no Brasil, celebra excelentes resultados em 2018, crescendo mais de 20% neste ano, enquanto o mercado global de automóveis aumentou as vendas em apenas 14%.

Com o intuito de preservar e potencializar a JAC Motors no Brasil, o Grupo SHC entrou hoje, 1º de novembro, com um pedido de recuperação judicial na cidade de São Paulo. A decisão foi motivada pela necessidade de buscar proteção judicial para uma repactuação de seu passivo junto a bancos, parceiros e fornecedores e, dessa forma, fortalecer a JAC Motors Brasil, sua principal operação.

Após cinco anos da maior recessão já enfrentada no setor automotivo brasileiro e de diversos ajustes, que não foram suficientes para compensar a grande queda de volumes e prejuízos financeiros que tivemos principalmente na operação Citroën, tomamos essa decisão, prevista em lei, para proteger a nossa companhia, nossos 700 colaboradores e os mais de 100 mil clientes da marca”, disse Sergio Habib, presidente do Grupo SHC.

As atividades de importação, distribuição, vendas e pós-venda (garantia, manutenção e fornecimento de peças) da JAC Motors continuam inalteradas e preservadas, à medida que a marca goza de um ambiente favorável e próspero no mercado brasileiro. Vale reforçar que o pedido de recuperação judicial do Grupo SHC protege e preserva a relação entre a empresa e os consumidores da marca.

Em 2018, além do crescimento nas vendas, a JAC Motors promoveu um importante lançamento em abril, o T40 CVT, que logo se tornou o carro chinês mais procurado do Brasil, e apresenta, no próximo dia 13 de novembro outro novo modelo, o T50, de forte impacto positivo nas vendas da companhia. Em janeiro, a marca vai lançar um SUV de 7 lugares, o T80, e uma picape cabine dupla em meados do ano.

A JAC Motors reafirma seu compromisso com o mercado brasileiro, investindo na qualidade de seus produtos, atendimento no pós-venda e relacionamento com os clientes. Ressaltamos a relevância dos nossos parceiros comerciais e dos nossos 700 colaboradores pelo apoio e registramos nosso agradecimento.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *